Infinito Particular

Um mundo confuso e divertido…

… — 11 de abril de 2017
Ajuda —

Ajuda

Ajuda dizer:

*Eu te amo,

Você é importante,

Faria falta pra mim,

Faz diferença ter você conosco,

Eu vejo você,

Não sei dizer como esta se sentindo mas vou ficar aqui quieto do seu lado.

 

–Isso ajuda… criticar não ajuda…

Pra você… — 10 de abril de 2017
Mais uma bad… — 6 de abril de 2017

Mais uma bad…

 

 

Sabe aquela BAD… aquela que vêm do nada e nos dá um soco na boca do estômago?!?

Queria ter a “minha pessoa” pra pedir ajuda nesses dias… poder me enrolar num cobertor, comprar comida e ficar escondida até tudo passar…

Hoje só estou pensando em coisas destrutivas… minha vontade é terminar tudo isso… fechar os olhos e descansar…

Sabe aquele sussurro? fica cada vez mais alto… e de repente, nada mais importa…

Não ando tendo nada com real significado ou que me prenda… que me segure…

Hoje estou como um balão… voando a deriva… e uma hora, ele simplesmente explode e acaba…

Não sei se estarei aqui amanhã… ou se estarei aí com você…

Sinto sua falta…

Tempo – Versos que Compomos na Estrada — 28 de março de 2017

Tempo – Versos que Compomos na Estrada

 

Tempo posso te pedir um segundo
Fique um pouco
Fique um pouco mais

Sei não sou tão paciente contigo
E fique um pouco
Fique um pouco mais

Que enquanto esqueço lá fora
Passa por dentro outra hora
Reconstituo o que se desfaz

Passe devagar pra mim
Devagar pra mim
Tempo eu te confesso
Sempre o quanto mais te quero és
Tão cruel

Quando o mundo se esquece de nós
E a gente fica um pouco
Fica um pouco aflito
Sem versar
Sem ver céu
Sem ventar
À deriva num mar de papel

Passe devagar pra mim
Devagar pra mim
Tempo eu te confesso
Sempre o quanto mais te quero és
Tão cruel

Devagar pra mim
Devagar por mim
Tempo eu te confesso
Sempre o quanto mais te quero és
Tão cruel

Eu me chamo Antônio – Versos que compomos na estrada —

Eu me chamo Antônio – Versos que compomos na estrada

 

“Desenho palavras tão simples
De complicado já basta o que passou
Falo também de coragem e rancor
É tão inútil só falar de amor…

Não tenho nada a temer
Eu já quebrei a minha timidez
Rompi meu silêncio
Encontrei firmamento
No sonho de quem só me fez perder…

Eu me chamo Antônio
E não me faço perguntas
Me desfaço nas sombras
De um grafite sem ponta
Aponto meu rumo
E de lá me apronto
E não traço destino
É ele quem traz

Saudade sentido, o amor é delito
O tempo o alívio, a dor o conflito
O cheio o vazio, o final o início
No verso eu existo.”

Um passo de cada vez… — 17 de março de 2017

Um passo de cada vez…

Bem… ainda estou aqui.

Ainda não encontrei um motivo pra viver meus dias… mas estou aqui, sobrevivendo.

Me falta coragem até pra colocar um fim nisso tudo.

Fico pensando… lutamos tanto pra conseguir algumas coisas e depois de conquistadas perdem o significado.

Minha mente ansiosa não me deixa em paz…

Penso o tempo todo, de madrugada acordo assombrada por tarefas incompletas e fracassos pessoais.

Filho, casa, trabalho, esposo, falta de lazer, falta de amor próprio…

É um ciclo vicioso e infindável…

Sei que isso não é saudável, sei que deveria buscar ajuda… mas… na maior parte dos dias não tenho forças nem pra escrever aqui… e olha que era meu refúgio…

Não sei bem se você ainda me lê, antes meus textos eram pra te motivar mas agora são desabafos…. não é agradável de se ler… mas se eu não escrever vou morrer mais rápido…

Nem sempre a morte é aquela que você conhece… morte dos sonhos e da alma são bem piores que a calma e bela morte permanente…